17 de fevereiro de 2014

Vocês também não querem ir?



 O texto que trago para nossa reflexão é João cap 6. Essa passagem me traz um profundo constrangimento sempre que leio. 


Não somente por imaginar a dor de Jesus em cada verso, mas também por perceber como, infelizmente, nossas reações permanecem muito semelhantes.


Ali estava Jesus diante de uma multidão que não se intimidava nem um pouco em demonstrar seu real interesse: os sinais. Sinais esses que se repetiram de maneira tão maravilhosa por tantas vezes ao longo de todo ministério de Jesus. Só em João 6 vemos a multiplicação de pães e peixes e o caminhar do Jesus sobre as águas.


Cada benefício de Deus movia a multidão cada vez mais pra perto de Jesus.


Ele, ciente da real motivação, por algumas vezes, escolheu se retirar. O que geralmente era inútil, a multidão sempre se deslocava para encontrá-lo. E, assim, Ele se revelava através da palavra, dava-lhes o verdadeiro alimento (como cita o verso 33), mas a multidão permanecia rasa e cada vez mais sedenta por sinais. 


O total desinteresse pelas revelações espirituais de Jesus fez com que muitos se afastassem, permanecendo somente os 12 discípulos e, ciente da traição e da negação que viria, Jesus os perguntou se eles também não desejavam ir com os demais (como cita os versos 66 e 67). 


Creio que esse fora um dos momentos mais dolorosos do ministério de Jesus. Ali,o Mestre pôde perceber que não poderia contar com seus amigos. Jesus entendeu que seus maravilhosos feitos era a única coisa que importava. Jesus abriu mão da companhia daqueles que lhe eram mais chegados. Ele entendeu que diante de amigos como aqueles, era melhor seguir sozinho.


Por focar apenas nos sinais a multidão ignorou a maravilhosa presença de Jesus e seus ensinamentos. 


 As necessidades falaram mais alto, o Mestre tornou-se apenas um atendedor de pedidos. 


É triste testificar que, até os dias de hoje, a multidão sedenta por sinais nunca deixou de existir. Até aqueles que se julgam mais próximos vez ou outra cogitam a hipótese de deixá-lo, caso os sinais não apareçam. 


João 6 nos faz refletir de como podemos deixar o melhor de Deus escapar se permitimos que as bênçãos sejam mais importantes que o abençoador. 


O primeiro plano de Deus é a salvação. Bênçãos e milagres são apenas acréscimos. 


Que Jesus encontre em nós amigos fiéis,que se alegram unicamente por ter a sua companhia. 


Fique na paz!


Elaine Souza, 29 anos 

Consultora de Negócios, Solteira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!