22 de outubro de 2013

Você no blog: “Antes Te conhecia apenas de ouvir falar”

Hoje, o texto é da Gercy Torres, um lindo testemunho! Vale a pena ler! Leiam e deixem comentários!
Se você quiser seu texto aqui no blog, nos mande por email! (poremdejoelhos@gmail.com)





A história de minha vida, não é a história de um ex-viciado, de um alcoólatra, ou coisa semelhante, mas de um perdido pecador tal qual os outros acima citados, e que carecia da Glória de Deus.

Quando nasci minha mãe já conhecia ao Senhor, meu pai não. Cresci na igreja, mas filho de “crente” não é “crentinho”; aos nove anos de idade fiz minha decisão na Escola Bíblica Dominical, a alegria do primeiro amor me fazia crescer na graça e no conhecimento de Deus. Então, veio a tão “terrível” adolescência, a princípio fui diferente de todos de minha idade, continuava indo aos cultos, servindo ao Senhor. “Adorava” participar do teatro da igreja, e junto com o grupo de adolescentes distribuir folhetos e convidar pessoas para o culto de domingo. Ler a Bíblia, orar era rotina diária.
            

Como se espera de um “cristão maduro” tomei a decisão de me batizar, minha igreja passava por um longo período sem pastor, mas conseguimos que um pastor de outra igreja elaborasse um estudo profundo sobre o batismo para que o moderador pudesse dá o curso. Começamos com um grupo de mais ou menos dez pessoas. Nessa mesma época comecei a namorar, mina mãe não se agradou muito da ideia, afinal só tinha 15 anos, mas como se tratava de um cristão da mesma denominação minha mãe aceitou, ele tinha 7 anos a mais que eu, imagine a discrepância.


Após seis meses de estudos finalmente chegou o grande dia do Batismo, estávamos radiantes, infelizmente só três chegaram até o fim. Pouco tempo depois minha relação com minha mãe que já não era das melhores ficou ainda mais tensa. O namoro “cristão” se tornava cada vez mais carnal, a queda foi inevitável. Meu mundo se roeu por completo, não conseguia me perdoar, afinal se tornou algo constante em minha vida, fiquei em crise existencial Como alguém que conhece a Cristo poderia viver assim? Fui definhando na fé, já não participava ativamente na igreja, o inimigo me dizia que não era digna de orar, e “calei o meu pecado e os meus ossos envelheceram dentro de mim”.


Quando minha mãe descobriu a tensão foi maior, maior até chegar a um ponto insustentável, fomos disciplinados; o que deveria ter produzido restauração em nossas vidas foi na verdade a “cajadada final”, sem aconselhamento morremos espiritualmente, ambos nos afastamos da casa de Deus, depois de mais de 2 anos de namoro, decidimos morar juntos, mas quem conhece do amor de Deus não consegue permanecer longe, então decidi voltar a igreja, ia aos cultos de domingo enquanto ele ficava em casa, até que ele decidiu ir comigo, nos reconciliamos e após dois meses casamos e foi uma benção. Ele voltou ao ministério de louvor, pregação e outros, comecei a ministrar aulas na escola dominical entre outras coisas, mas a comunicação entre nós não era a das melhores.
          

Todo pecado é perdoado em Cristo Jesus, mas não podíamos jamais escapar da Lei da Semeadura, começamos a colher o preço do pecado, o peso foi tão grande que não podemos suportar, as brigas constantes e o distanciamento e outras perdas da vida me levarão a uma depressão profunda que foi intensificada pela perca do meu sonho de ser mãe, perdi meu primeiro filho ainda no ventre, pouco tempo depois uma nova perda, estava destruída, era mais fácil negar o que havia ocorrido do que encarar a realidade, isso no afastou ainda mais.
            

Quando e da forma que ele pediu a separação me acabou. No momento de desespero, tomei veneno de rato, tentei suicídio. Tomei a pior decisão, fui levada as pressas ao Pronto Socorro (PS) em menos de 10 minutos os efeitos eram catastróficos, comecei a vomitar ainda no carro, ao chegar no PS perdi a consciência por alguns segundos, na sala de emergência deu início o processo de lavagem estomacal, 10 litros de soro foram usados, já não conseguia respirar, fiquei no oxigênio, sonda no nariz, eletrodos espalhados pelo corpo, minha pressão arterial despencou, ouvia e compreendia tudo ao meu redor, mais não conseguia responder nenhuma das perguntas feitas a mim, minha mãe dizia minha filha peça perdão a Deus, mas eu não conseguia concluir nem um pensamento, não falava, comecei desesperadamente pedir perdão ao meu esposo e minha mãe pelo o que havia feito, disse poucas palavras. Quando tentaram tirar minha bermuda que estava suja de vomito, tentei segurar, foi quando percebi que não podia mover um só dedo se quer, cada tentativa me fazia entrar em terríveis convulsões.


Após os procedimentos padrões fiquei em observação, algumas horas depois meu tio, que é pastor foi me visitar, e quando ele orou rogando a Deus pela minha vida e rogando ao Pai que eu escapasse sem nenhuma sequela foi quando tive consciência da gravidade do que eu havia feito e da gravidade de minha situação. Então dentro de mim começou uma guerra, um pequeno filme de minha vida começou a se passar na minha mente em fleches, Deus me fez ver onde eu havia caído, e temi à Deus, pedia que Ele tivesse misericórdia de mim e pedia pra que não dormisse, tinha medo de entrar em coma e não mais acordar e incrivelmente não entrei em coma.


Antes conhecia Deus de ouvi falar, Deus pra mim era o Deus de Abraão, Isaque e Jacó, mas naquele momento Deus se tornou o meu Deus, o Deus da Gercy e tive uma experiência tão maravilhosa, senti o Espírito de Deus pairando sobre aquele leito, ouvi a voz do Pai, e aquela guerra que havia iniciado dentro de mim Ele transformou em paz, quando me disse: “A Minha graça te basta!”. Havia chegado ao hospital por volta das três da tarde, tomei 150 ampolas de atropina, que cortava o efeito do veneno e me fazia vomitar, tomava a cada 15 minutos. Pela manhã o médico que havia passado a noite me observando, veio me ver e muito cético disse: “Incrivelmente você sobreviveu, já pode agradecer porque é um milagre!”.


Fui transferida para outro hospital, fiquei internada 7 dias, passei mais de um dia sem falar, 3 dias sem andar, uma semana sem ver de perto, e tinha dificuldades pra dormi, fiz todos os exames para verificar em que grau o veneno havia me afetado e para a Glória de Deus não havia nada, tudo estava perfeito. Recebi alta, fui pra casa, e fiz uma oração semelhante a de Ana e descansei no Senhor 15 dias depois fui abençoada, estava grávida. Estava servindo à Deus, mesmo sozinha, pois meu esposo já não queria, mas permanecia firme com Deus, durante minha gravidez ele começou a me trair, após o nascimento de minha filha começaram as agressões e já não pude suportar, nos separamos, estava mais firme do que nunca, clamava a Deus que restaurasse meu casamento, quando ele pediu o divórcio comecei a me abalar, a me revoltar com Deus e mais uma vez desisti, comecei a viver sem ele, após 2 anos de separação estávamos divorciados e Deus respondeu minhas orações e a guarda da minha filha ficou comigo.


Fiquei magoada com a falta de apoio que recebi de minha igreja e de meu pastor, e caminhei por outras veredas, fiquei de igreja em igreja até que fiquei desgarrada por um bom tempo. Em dezembro do ano passado fui até meu pastor, pedi perdão e pedi pra voltar e disse que precisava de ajuda, pois já havia tentado só e não havia conseguido. Minhas experiências me levarão ao entendimento de quem é Deus, nesses últimos dias Ele tem me falado tão grandemente e me ensinado tanto, ainda estou sobre disciplina, mas finalmente tenho tido comunhão com Deus e crido em suas promessas e crido no seu poder para restaurar um tão grande pecador EU!


Então Jó respondeu ao Senhor: "Sei que podes fazer todas as coisas; nenhum dos teus planos pode ser frustrado. Tu perguntaste: ‘Quem é esse que obscurece o meu conselho sem conhecimento? ’ Certo é que falei de coisas que eu não entendia, coisas tão maravilhosas que eu não poderia saber. "Tu disseste: ‘Agora escute, e eu falarei; vou fazer-lhe perguntas, e você me responderá’. Meus ouvidos já tinham ouvido a teu respeito, mas agora os meus olhos te viram. “Por isso menosprezo a mim mesmo e me arrependo no pó e na cinza”. 
(Jó 42:1-6)



Obs.: É bem verdade que ficou um tanto quanto extenso, mas ainda assim não foi o suficiente para descrever tudo, mas o bastante para descrever as maravilhas de Deus em minha vida.


Gercy Torres
Facebook/Gercy Torres

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!