1 de outubro de 2013

Mulher que se preza

O post de hoje foi gentilmente cedido pela autora, Luciana Honorata.
O contato da autora está ao final do texto.


Mulher que se preza, é mulher que se ama.  Esta assertiva não saiu do meu coração por dias a fio, numa espécie de lembrança recorrente, como aqueles conselhos de mãe que nos acompanham por toda a vida, mas que me foi dado pelo Espírito de Deus.
Tenho compreendido o valor do respeito a si mesma, às próprias limitações, às nossas peculiaridades, à maneira que o Senhor nos criou. Num mundo dividido entre o desprezo ao sexo frágil e o feminismo exacerbado, há certa dificuldade de nos vermos sob a ótica da Palavra de Deus.
É difícil, no fim das contas, equilibrarmos o nosso ego e encararmos as nossas qualidades com a modéstia de quem as reconhece como dons, enquanto aceitamos as nossas limitações com a consciência de quem sabe que não foi chamado para tal tarefa.
São muitas vozes, ora subestimando o nosso potencial, ora injetando revolta e soberba nos nossos corações, pervertendo a criação de Deus, chamando-nos a ocupar uma “poltrona” que não nos cabe, e o resultado de tudo isso é a frustração!
Tomamos o lugar dos nossos homens na direção do lar ou submetemo-nos a maus tratos; competimos deslealmente dentro das empresas por cargos e funções que não temos capacidade de desempenhar como eles, ou que cumprimos de forma super excelente, muito além do que eles poderiam fazer; tomamos iniciativas que não nos cabem e tornamo-nos menos femininas, desvalorizando a nossa posição, o nosso chamado, e tantas outras coisas as quais passaríamos páginas e páginas discutindo, mas que sequer valeria a pena.
O significado de frustrar-se é “não ter o resultado que se espera, enganar-se, iludir-se, falhar”. E quantas de nós não fomos frustradas em nossas expectativas e sonhos, por não saber como lidar com as nossas incapacidades e vantagens, não submetendo-nos ao padrão de Deus e, muitas vezes  sem amar-nos como deveríamos?
Quando digo “mulher que se preza (isto é, que se respeita, valoriza e estima) é mulher que se ama”, digo, sem medo, que a mulher que se valoriza é aquela que decide ser o que foi criada para ser, a despeito do que a sua mãe, avó, tia, pai, ou pastor lhes ensinaram. É mulher que decide acreditar na Palavra de Deus a despeito do conceito do mundo, e resolve  se enquadrar no padrão dele com a mesma obstinação com a qual aperta o pé no sapato um número menor, mas que a vendedora prometeu: “vai folgar”!
Às vezes, voltar ao plano original de Deus para nós custa alguns “calos” na alma e umas “mancadinhas” temporárias até o “lasseio do sapato”. Custa o desconforto de passar por cima do nosso orgulho, da superar a nossa teimosia e abrir mão do “primeiro lugar”. Requer livrar-nos de todos os conceitos errados que aprendemos sobre nós mesmos, para abraçarmos o conceito do Pai. Custa o esforço de declarar, mesmo sem sentir, aquilo que nós somos em Deus e para Deus. É um penoso fechar de olhos e decidir não se ver burra, feia, inferior, muito menos superior, nem mais inteligente ou capaz… Mas pensando sobre si mesma como convém, com moderação e franqueza.
Tudo isto exige a determinação de apenas aceitar a opinião daquele que nos conhece por dentro, que estabeleceu os nossos limites e nos concedeu os dons.
O segredo da vida está em não ser guiado por outras vozes, mas a entregar-se ao conselho de Deus, a sempre ter a consciência de que dele provém toda a sabedoria e é impossível ter uma idéia melhor que a sua!
Você e eu fomos criadas para ser conforme o divino plano do Pai e nada nem ninguém pode nos tirar este privilégio, exceto nós mesmas. Grande parte dos nossos infortúnios será resolvida quando decidirmos que a aprovação e o padrão de Deus são o nosso ideal, a nossa alegria e a nossa paz.
Hoje, eu quero lhe animar a se amar como mulher unica que você é e olhar para si mesma com os olhos da eternidade, sob a perspectiva de um Deus que sabia o que estava fazendo quando lhe designou mulher, e lhe equipou com as ferramentas certas para ser um sucesso naquilo que ele lhe chamou para fazer.
Não importa o quanto você já se frustrou na vida, o número de decepções que já viveu e nem mesmo a idade que tem. Seja jovem ou madura, o que importa é que nunca será tarde demais para alinhar-se com o Senhor e usufruir do seu melhor, da sua presença e do lugar de conforto que é o centro da sua soberana vontade.
O tempo não é uma linha, é um ponto. Não se pode voltar ao passado (suspeito que ele sequer exista) e o futuro está sendo plantado hoje, mas não está em nossas mãos…
Portanto, viva, ame a si mesma, e seja exatamente o que Deus lhe fez para ser!
Mulher que se preza é aquela que está dentro do plano de Deus.
Porque, pela graça que me foi dada, 
digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; 
antes, pense com moderação, 
segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um. 
(Romanos 12.3)


Luciana Honorata

Um comentário:

  1. "Seja jovem ou madura, o que importa é que nunca será tarde demais para alinhar-se com o Senhor e usufruir do seu melhor, da sua presença e do lugar de conforto que é o centro da sua soberana vontade." -------> AMEI!!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!