29 de janeiro de 2013

Ações de um outro mundo



No meu estágio, a gente produz um programa de rádio. E além de mim, o programa tem mais dois estagiários. Um deles é o Rafa, e eu fico impressionada com a eficiência dele. A rapidez dele ao correr atrás das fontes, o foco e a concentração ao escrever os roteiros e tudo mais. Ele sempre acaba os programas dele ao menos uma semana antes do prazo, e sem nunca perder a qualidade, enquanto tem vezes que eu tenho que me desdobrar pra conseguir fazer tudo a tempo (quem fez/faz Jornalismo entende o terror do deadline). E o que mais me impressiona nele é que não escutei nenhuma vez ele dizer o quanto ele é rápido, focado ou eficiente. Mas já perdi a conta de quantas vezes eu já disse isso pra ele, e o quanto ele já ouviu isso das outras pessoas. 

Tem uma frase que eu gosto muito: “Suas ações falam tão alto, que eu não consigo ouvir o que você diz”. E é bem isso o que quero passar nesse texto. Às vezes a gente fala tanto sobre o poder de Deus, sobre o Reino, sobre o sacrifício de Jesus, sobre a importância de se arrepender... mas será que é isso que as pessoas veem em nós através da nossas ações? Será que nossos atos refletem esse discurso que sai da nossa boca? Refletem essas mensagens que vão para o nosso Twitter e para o nosso Facebook? Porque de nada adianta se essas duas partes, nossas palavras e nossas ações, não forem coerentes. Na verdade, se uma for diferente da outra, só piora tudo. 

Se a gente viver a paz, a justiça, o amor, a alegria presentes em nós pelo Espírito Santo, a gente nem precisa abrir a boca pra que as outras pessoas vejam que “tem algo diferente” em nós. E com isso não estou dizendo que a gente não tem que falar sobre as boas novas do Reino não, mas sim que a gente precisa entender que tudo vai além disso. Evangelizar, trazer o Reino de Deus à essa Terra, tem a ver com essa diferença que a gente faz ao agir de acordo com as leis dos céus e não com as desse mundo. E o impacto que a gente causa com nossas ações pode ser (e na maioria das vezes é) muito mais forte que aquele causado só pelo que sai dos nossos lábios. 

C.S. Lewis diz: “Eu descobri em mim mesmo desejos os quais nada nesta Terra pode satisfazer. A única explicação lógica é que eu fui feito para outro mundo”. Desejos são satisfeitos com ações. Se a gente tem desejos desse tipo, que nada na Terra satisfaz, nossas ações também não serão do tipo que se vê nessa Terra. Vão ser do tipo desse outro mundo. E aí vamos ser essa carta que Paulo cita quando escreve aos Coríntios. Um tipo de carta que não dá pra se ler com palavras, mas com ações de um outro mundo. 

“Será que com isso, estamos começando a nos recomendar a nós mesmos novamente? Será que precisamos, como alguns, de cartas de recomendação para vocês ou da parte de vocês? Vocês mesmos são a nossa carta, escrita em nosso coração, conhecida e lida por todos. Vocês demonstram que são uma carta de Cristo, resultado do nosso ministério, escrita não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de corações humanos.” 2 coríntios 3 1-3








Amanda Almeida
Estudante de Comunicação Social na UFMG
Twitter: @mandyalmeida
Frase: Apaixonada por Aquele que me amou primeiro!

3 comentários:

  1. Blog fantástico, é para mim um privilégio poder ler as suas palavras, de certo que mais vezes virei aqui, no entanto agora vim para encontrar novos amigos e ao mesmo tempo divulgar meu blog.
    Quero apresentar o Peregrino E Servo. Gostava que visse meu blog e desejar fazer parte dos meus amigos virtuais esteja à vontade, mas faça-o apenas se desejar.
    Muitas felicidades e saúde.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir
  2. Creio nisso, que nossa maneira de viver fala mais do que muitas palavras ditas...
    Vc é benção!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!