1 de setembro de 2012

As suas escolhas revelam quem você é e elucidam seu futuro!


A lei da semeadura e da colheita está, certamente, além das estruturas eclesiásticas nas quais comumente os cristãos a aplicam. Ela engloba todas as relações da natureza e inter-relações humanas.

Todas as ações executadas são sementes plantadas e nenhuma sequer deixa de germinar a seu tempo. Se estudarmos muito, passamos em uma prova; se investimos em uma poupança, em breve teremos uma quantia financeira acumulada; se roubarmos, seremos presos; se avançarmos um sinal de trânsito, estamos sujeitos a ganhar uma multa ou a sofrer um acidente. Essas e muitas outras situações são óbvias na nossa cotidiana e rotineira vida.

Então, porque mesmo cientes disso tudo continuamos a agir de forma ilegal, a odiar as pessoas, a ser gananciosos e mentirosos, a “ajeitar” as coisas a nosso favor? Simplesmente porque não nos conscientizamos que nossas ações vão desenhando nosso futuro, pois o que plantamos, certamente, colheremos. Acreditamos que elas são passageiras e que não implicam em resultados pontuais.

Não é aqui uma questão de sermos perdoados por Deus por nossos erros ou de recebermos uma nova vida em Cristo. Mesmo perdoados e com uma nova vida, “colhemos” o que plantamos, pois servimos a um Deus justo e que não muda as regras para o nosso favorecimento ou anula nossa dívida com a lei dos homens. Alguém que comete um delito e se converte ao Senhor, recebe sim o perdão de seus pecados e uma nova realidade de vida, a própria natureza de Deus, mas ainda assim tem uma dívida social que deve ser totalmente paga.

Por isso, precisamos ser e estar alertas e vigilantes quanto ao nosso modo de andar, falar, agir e lidar com o que nos cerca, pois nossas futuras gerações desfrutarão do que plantamos hoje.

Por exemplo, considere as próximas eleições. Provavelmente, teremos o seguinte discurso: “Não sei para que isso, só tem ladrão lá! Ninguém faz nada; só se preocupam com o povo quando precisam de seu voto...”. Mesmo sabendo e reconhecendo todas as falhas de nossos governantes e do sistema que os cerca, a questão é que devemos também semear na política. É importante estar envolvido e ser conhecedor das leis que regem o país, aquilo que lhe é de direito e dever. Não adianta cobrar mudança se esta não acontece na mente de quem exerce a cidadania. Não adianta orar, protestar, se impor, quando a questão é preservar sua real liberdade, e não tolhir o próximo da sua. Não pereceremos, também na política, quando conhecermos de fato aquilo de que fazemos parte. Colheremos bons frutos na sociedade quando exercermos a capacidade de raciocínio e entendimento que temos para abandonar a apatia social e despertar para a realidade de que o amanhã pertence sim a Deus, mas é fato que nós temos o poder de determinar como ele será.

Pense nisso!

Deus te abençoe!


Danielle Vieira,
Editora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!