1 de setembro de 2012

A relação nora-sogra


Faz parte da vida de toda mulher as fases de namoro e casamento. E são nestes momentos que nos deparamos com a família de nosso conjugue e com as diferenças vindas da mesma, pois, entre duas pessoas que se relacionam, existe um sistema de valores e uma cultura própria que, cada indivíduo, traz consigo de sua família. Quando nos casamos, passamos a ter um vínculo também com a família de nosso esposo: cunhados e sogros passam a fazer parte de nossa composição familiar juntamente com todas as formas de agir e pensar dos mesmos que na grande maioria das vezes não coincidem com os nossos. 

Uma relação tida como complexa e que é trazida inúmeras vezes ao consultório de Psicologia como problema é a convivência nora e sogra. Essa é uma relação de parentesco obrigatória e necessária, na qual sogra e nora, vindas de famílias diferentes trazem hábitos, valores e crenças, muitas vezes, incompatíveis. A princípio, elas só possuem uma coisa em comum, que é o marido / filho. Quando se trata dessa relação, vários conceitos e pré-conceitos já estabelecidos passam a permear e muitas vezes orientar a forma que este relacionamento se estabelece.

A famosa concepção de que sogra é um problema paira sobre muitos casamentos e são inúmeros os sentimentos desencadeados em virtude dessa ligação, como ciúme, inveja, raiva, tristeza e insegurança. Ao contrário disso, sentimentos positivos podem favorecer esse contato e gerar amizade, amor, carinho e respeito. Com o tempo, nora e sogra passam a estabelecer algum tipo de relação que pode ser prazerosa e gratificante ou hostil e competitiva. 

Estudiosos da área apontam que comumente o modelo de relação que a nora estabeleceu com sua mãe poderá influenciar o relacionamento dela com outras mulheres, no caso com sua sogra. Se a nora teve um relacionamento desagradável com a mãe, pode transmitir esse sentimento à sogra, assim como pode vê-la como amiga ou a mãe que nunca teve. Da mesma forma, a mãe que possui um relacionamento de independência com o filho apresentará maior facilidade em “liberá-lo” quando este se casa, ao contrário da mãe que tem uma forte relação de dependência com o mesmo e pode experimentar o casamento deste como uma forte separação sentimental que, facilmente, se transforma em repulsa ou ciúme para com a nora, que é quem lhe "rouba" o filho. 

No entanto, apesar dos inúmeros conflitos que envolvem a relação sogra-nora, eles podem ser administrados de forma saudável. Isto ocorre quando ambas se abrem para o amadurecimento desta relação e compreendem-se mutuamente, conscientizando-se de que não precisam competir, já que cada uma exerce um papel diferente da vida deste filho / esposo.

Provavelmente, este seja um grande desafio, que implica uma contínua construção desta relação. A Bíblia traz um exemplo inspirador sobre relacionamento de nora e sogra. O livro de Rute relata esta história. Leia e perceba o quanto que sua sogra, agora parte de sua família, tem importante papel sobre sua vida e pode te abençoar se você estiver disposta a tal.

Gostou desse post? Então, deixe seu comentário!

Por:



Nathália Franquito Fernandes, psicóloga.
Frase: Estar ao lado do Senhor é algo maravilhosamente seguro


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!