20 de julho de 2012

Respeitar x Amar


Por bastante tempo eu respeitei as pessoas, porque eu achava que era assim que eu agradaria a Deus. Não que Deus não goste que nós respeitemos aos outros, muito pelo contrário, mas o ponto é que eu só fazia isso, respeitava, quando o que Ele quer - e me ordenou a fazer - vai muito além de somente respeito.

É fato que para que exista o amor é preciso existir também o respeito. Uma relação na qual não haja respeito não dá pra ser uma relação de amor. Só que não tem como inverter essa equação, porque pode haver respeito sem haver amor. E é aí que mora um grande perigo. A grande marca do cristianismo é o amor. O amor de Cristo que passamos – e somos ordenados - a expressar quando nos propomos a seguir seus passos. “O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei” (Jo 15:12). A partir do momento que escolhemos ir para aquele lugar de conveniência no qual só respeitamos, estamos perdendo a essência do que é seguir a Cristo. E o pior é pensar que é mesmo uma escolha nossa. Se amar é uma escolha, não amar também é.

Se Jesus tivesse vindo a esse mundo e escolhido somente respeitar, ele nunca teria se entregado na cruz por mim e por você. Ele nunca teria feito tamanho sacrifício se ele escolhesse a conveniência. Mas ele só morreu, e da maneira mais triste e humilhante possível, porque ele amou, amou, amou, com tudo o que era. E ele não pensou que só nos amaria pelo que poderíamos fazer por ele um dia, como nós fazemos ao respeitar certas pessoas, visando o lucro que tal respeito poderá trazer. Não, ele nos amou. Apesar de todos os nossos erros, nossas falhas e nossos pecados. E é aí que o amor se diferencia. Porque mesmo querendo muito, não dá para respeitar quem faz as piores escolhas possíveis. Mas dá para amar. E cristianismo é também sobre ser diferente e fazer diferença, não é? E que diferença pode ser maior que essa que só o amor proporciona?

Nesse mundo, é muito fácil escolher ficar somente no patamar do respeito, porque com tanta gente que faz escolhas diferentes das nossas, para conseguir viver de uma forma tranquila e pacífica, sem conflitos com ninguém, é só respeitar. E na faculdade, isso fica muito claro. Como conviver com um grupo tão variado de pessoas por 4, 5, 6 anos se não houver respeito? Só que a cada dia Deus vem me mostrando cada vez mais que pra mim, como cristã, só respeito não basta. Ele me mandou amar. Amar!

Eu faço Comunicação Social, e em uma sala onde menos da metade são homens, pelo menos 80% deles são homossexuais. Respeito não basta. Um amigo meu postou uma frase do Pr. João Chinelato no Facebook e foi como um chacoalhão de Deus em mim: "Quem não ama os homossexuais não conhece o amor de Deus, quem aprova suas práticas não conhece a Bíblia". Eu somente os respeitava, não os amava. Só o amor é capaz de transpor os defeitos e os erros. E amar não significa concordar com as escolhas ou atitudes erradas das pessoas, mas significa vê-las como mais que criaturas de Deus, significa vê-las como filhos do Senhor. O Senhor os quer desesperadamente, e eu devo ser um instrumento dEle para levar o amor, e como levarei o amor senão amando?

Às vezes a gente espiritualiza demais as coisas. Demonstrar esse amor não é só eu falar “Olha, Jesus te ama”. É também eu emprestar as anotações da aula que a pessoa perdeu, sem ficar julgando. É passar pra ela um link que vai ajuda-la num trabalho, sem pensar nas vantagens que isso pode me trazer. É avisar pra ela que vai ter uma palestra ou uma exposição interessante, sem pensar se ela vai achar que a gente é bobinho demais por fazer isso.

E essa minha postura de respeitar sem amar não se restringia somente às pessoas da minha sala. Se alargava a várias outras. E meu comportamento tem que mudar, e vem mudando. Respeitar é bom, mas, além disso, eu tenho que amar. Não posso não respeitar, mas, principalmente, como cristã que escolhi ser através do amor do Senhor que me constrangeu, não posso não amar. E como a Palavra nos mostra, devo amar a Deus acima de todas as coisas, depois ao meu próximo, seja quem for, e aí, em último lugar, a mim. Se eu escolho só respeitar, estou invertendo essa ordem e me colocando em primeiro lugar, porque preferi seguir o que eu achava que era melhor, não o que o Senhor me ordenou.

O perigo mora em um lugar muito traiçoeiro: dentro de nós, quando achamos que só esse respeito basta. Não, ele sozinho não basta. Não basta. Temos que tirar o respeito desse ringue de luta contra o amor, erguer uma bandeira branca e começar a colocar os dois bem juntos. O ruim é que às vezes nem percebemos que tínhamos colocado o respeito e o amor nesse ringue, mas o lado bom é que nunca é tarde pra deixar que Deus trabalhe em nós e nos mude por completo. Só assim poderemos viver de acordo com a vontade dEle, seguindo o que está em 1 Coríntios 13:13: "Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor". Amor não é sobre conveniência, muito pelo contrário, é sobre renunciar nossas vontades em prol do nosso amado. E meu amado é Cristo, que quer que eu ame meu próximo, independente do que vá me custar. E em vista do preço que o Senhor pagou por mim, amar meu próximo custa muito pouco, e é o que eu vou escolher fazer.

Por:

Amanda Almeida
Estudante de Comunicação Social na UFMG
Frase: Apaixonada por Aquele que me amou primeiro!
Twitter: @mandyalmeida

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!