19 de julho de 2012

Entrevista: Ana Paula Nóbrega




Nossa entrevistada desta semana é uma das vocalistas do Ministério de louvor Diante do Trono: a querida Ana Paula Nóbrega. Cearense da cidade de Fortaleza, Ana compartilhou conosco sua trajetória ministerial, suas renúncias e o reconhecimento, sua história... Além disso, ela também deixou uma mensagem desafiadora para as leitoras.

Nome completo: Ana Paula de Araújo Aderaldo Nobrega
Idade: 31 anos
Estado Civil: Casada
Profissão: Cantora

De Salto: Como foram sua infância e adolescência?
Ana Paula Nóbrega: Maravilhosa! Desde bem pequena, o Senhor me deu a graça de ser carismática, extrovertida e falante. Dentro de casa, na vizinhança, na escola, sempre recebia incentivos para desenvolver os dons que Deus me deu, embora ainda não tivesse o entendimento que tudo era Dele. Converti-me ao Senhor Jesus aos 12 anos de idade e, no convívio da Igreja, apoio nunca me faltou. Mesmo adolescente, meu pastor Abraão Secundino acreditou na unção de Deus sobre mim e, depois de um tempo, sendo discipulada, comecei a ministrar louvor à frente da congregação.

DS: Nesse período houve algum fato que te marcou?
Ana: Eu me lembro de que, na infância, quando eu integrei um grupo infantil couvert de artistas da década de 1980,tivemos tanto destaque na capital cearense que, na semana que se comemora o Dia das Crianças, nossa equipe mal podia ir à escola por causa da grande demanda de convites que recebíamos.
Nosso trabalho era tão reconhecido que a diretora da escola nos respaldava em tudo e, se preciso fosse, as provas eram aplicadas fora de época. Era muito engraçado e muito profissional também! Minha mãe, a D. Eunice, foi a grande responsável por esse crescimento do grupo; ela era a empresária.
Quando o Espírito Santo iniciou o trabalho de conversão em sua vida, ela entendeu que devia deixar a liderança do grupo e foi muito difícil para as outras crianças que participavam da equipe. Logo depois, o grupo acabou!

Outro fato marcante pra mim foi quando, ao retornar de uma viagem evangelística pelo interior do Ceará, minha avó paterna, Elza, que sofria de câncer e passou os últimos dias de sua vida na minha casa, havia falecido e sido enterrada. Ali eu entendi um pouco mais do quanto servir a Jesus pode exigir de nós muito mais do que possamos imaginar! Foi muita dor!

DS: Conte-nos brevemente sobre seu testemunho de conversão.
Ana: Um grupo de missionários "batistas" do Texas-EUA, doou suas férias para levantarem templos, e um deles foi vizinho a minha casa. Aqueles estrangeiros chamaram a atenção de todos do bairro. Na época, em 1992, a criançada não saía de perto das construções e adorava ouví-los falando e cantando em uma língua totalmente desconhecida. Quando a igreja foi inaugurada, é claro que todos nós estávamos ali, sem noção de que aqueles encontros mudariam para sempre nossa história.

DS: Quando começou sua relação com a música?
Mais ou menos com seis anos de idade. Anos depois, aprendi a tocar piano e violão! Creio que quem gosta de música é bem mais feliz!

DS: Em algumas ministrações, você compartilhou que no passado foi assediada por bandas musicais seculares. Em algum momento cogitou dizer "sim" a algum desses convites?
Antes de aceitar a Cristo como Senhor e Salvador, eu cantava no meio secular, participava de concursos e era bem sucedida. Em um desses concursos, eu ganhei como "melhor cantora de forró" e o prêmio era gravar um CD com a melhor bande de forró da época. No Ceará, esse ritmo é uma febre! É a cara do nosso povo! É claro que nos alegramos e cogitamos em aceitar sim, mas como eu não tinha idade para isso, não fui autorizada. Sei que foi a mão do próprio Deus, pois meses depois, fui achada por Ele.

DS: Você foi aluna do CTMDT (Centro de Treinamento Ministerial Diante do Trono). Por que escolheu o CTMDT? O que aprendeu de mais precioso ali?
Desde 2001, Deus me deu a promessa de que eu viveria em Minas Gerais, mas eu nunca imaginava que o CTMDT teria tudo a ver com a realização desta promessa. Eu e meu esposo, Dvaldo Nóbrega, fomos amadurecendo a ideia de vivermos só para o Senhor e começamos a pesquisar seminários em Fortaleza e até em Recife (Seminário do Norte, que é muito conhecido ); mas no coração não testificava. Até que em um Congresso do Diante do Trono ouvimos falar do CTMDT, desde aí nos animamos. Em 2007, visitamos o campus da escola em Santa Luzia-MG e, a cada passo, o Senhor confirmava que ali era nosso lugar.

Meu caráter foi tremendamente trabalhado na escola. Acredito na proposta do CTMDT e indico a todos os que desejam se preparar para o chamado do Senhor. Além de aprender mais sobre música, me tornei uma pessoa melhor, uma líder de louvor mais capacitada.

DS: Hoje você é uma das vocalistas do Diante do Trono. Como surgiu essa oportunidade?
Em dezembro de 2008, eu estava de férias do CTMDT em Fortaleza e recebi o convite para ministrar com o Diante do Trono na minha cidade, diante do meu povo. Foi incrível! Uma noite inesquecível em minha vida! Depois dali, não parei mais, e tenho a convicção de que era e é algo de Deus.

DS: Nesses primeiros anos do DT alguma experiência te marcou?
O que me impressiona no DT é a LONGEVIDADE, a capacidade de renovação e a inovação sem perder a essência! Quem convive com a Ana sabe do seu amor por Jesus e pelas almas perdidas. Esse exemplo fica impregnado em nós! Nós compramos a visão da Ana e, hoje, é nossa visão também!

DS: Reconhecimento, fama, glamour... Como não se contaminar com tantos atrativos que a visibilidade do Diante do Trono provocam?
Realmente não é fácil! É uma luta diária! Eu procuro me defender desses sentimentos, trazendo sempre à memória que tudo isso é passageiro! O que realmente importa? E assim como o Rei Davi falava e dava ordens à sua alma, eu dou a mim mesma: "Se há algo de que deva me gloriar, que seja em conhecer o Senhor! " (Ap Paulo)

DS: A mídia secular está cedendo espaço para o meio gospel. Esta realidade tem gerado divisão de opiniões. Alguns afirmam que a igreja não pode se render aos interesses comerciais das grandes emissoras. Já outros defendem que é uma grande oportunidade do evangelho ser pregado e deve ser feito independente do veículo a ser usado. Qual a sua opinião a respeito?
Minha opinião é clara e explícita: sempre que houver um convite, uma oportunidade e na minha busca ao Senhor for confirmado que isso vem Dele, eu vou! E estou indo! Diante de uma pergunta assim, o que logo vem a minha mente é criticar quem se opõe ao meu trabalho, mas logo me lembro de que, se em tudo o que eu fizer não tiver amor... De nada valerá.

As críticas sempre vão chegar, eu vou repulsar o que é mal e reter o bom, mas não vou deixar de obedecer ao que Deus tem pra mim.

DS: Mudança de cidade, sair da rotina, ficar longe da família... Estas são algumas das escolhas que a obediência ao chamado exige. Como passar por tudo isto sem perder a alegria de servir a Deus?
A gente chora, chora... E experimenta o consolo do Espírito Santo. Dói demais estar longe nas datas comemorativas, aniversários, formaturas, casamentos, etc. A vida está passando por lá, os sobrinhos crescendo, os amigos dando-se em casamento e, particularmente, eu oro que nem Neemias: "Senhor, vê todo o meu trabalho, tudo o que eu tenho feito para o meu próprio bem!"

DS: Que conselho daria aos jovens que estão iniciando no ministério de louvor e adoração?
É um desejo excelente! Mas eu me lembro daquela mãe que pediu a Jesus que seus filhos se assentassem um a Sua direita e outro a Sua esquerda; a resposta de Jesus foi mais ou menos assim:
-"Você não sabe o que pede!"
Muitos desejam ter nossa vida, mas não sabem o peso espiritual que repousa sobre nós.
Se alguém realmente tem paixão por esse ministério, meu conselho é:
Guarde seu coração dos desejos e paixões do mundo!

DS: Deixe uma palavra para as leitoras do "De salto, porém de joelhos".
No momento, estou sendo muito edificada através da leitura do livro Segredos da Vinha para mulheres. É um livro lindo e superempolgante, embora seja baseado no capítulo 15 de João, o qual fala de poda, de tratamento de Deus em nossas vidas.

Quem sabe, alguma mulher que esteja lendo esta matéria está passando por um momento difícil em sua vida? E é exatamente assim que me sinto enquanto respondo a esta entrevista.

Como mulheres, temos a capacidade de acumular muitas coisas, de fazer tudo ao mesmo tempo e deixarmos nosso tempo com Deus de lado. Jesus disse:
- "Sem mim, nada podeis fazer!"
É verdade! Por vezes, nos vemos tão atarefadas, em um ativismo tremendo e, o pior, com um sentimento de que tudo o que estamos fazendo não dará frutos!

Somos filhas, não bastardas! Em Hebreus 12, encontramos a afirmação de que, quantas vezes for necessário, Ele nos levará a tempos de disciplina para que reorganizemos nossas prioridades.

Por isso, não se sinta esquecida por Deus!
Se o seu momento é de ser disciplinada, aceite esta poda e colabore com o trabalho do viticultor (Deus), o qual deseja que sejamos ramos que dão muitos frutos, porque estamos ligadas na videira (Jesus).


Bate-bola (responda com 1 palavra)

Louvor: Reconhecimento
Adoração: Entrega
CTMDT: Ponte
Diante do Trono: Aprendizado
Ceará: Início
Igreja Batista da Lagoinha: Desafio
Ser esposa é: Honra
O melhor lugar do mundo: Fortaleza
Uma palavra linda: Mãe
Uma palavra feia: Injustiça
Um som bom de ouvir: Som ungido
A Ana sai do sério quando: dizem que sou o que não sou, que fiz o que não fiz!
Não saio de casa sem: Iphone
Atualmente está lendo: Neemias, paixão pela fidelidade; Família: Raízes
Amigos: Irmãos
Jesus: Vida
Uma frase: "Se for pra viver, que eu viva pra Te adorar!" Ana Nóbrega


Por: Elaine Souza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!