19 de julho de 2012

Entrevista: Iara Diniz


Foi em meio a inúmeros compromissos pessoais, pastorais e profissionais que Iara Diniz de Paula nos atendeu.

Entre suas funções como esposa, mãe, pastora, psicóloga, escritora e conferencista, ela lidera ao lado de seu esposo, o pastor Ciro Eustáquio, a Central Ministerial da Família, na Igreja Batista da Lagoinha.

Cada encontro com Iara é, sem dúvida, uma oportunidade de aprender e de se inspirar através de seus ensinamentos, sempre fundamentados na palavra de Deus.

Conosco, ela compartilhou sobre o papel da mulher na sociedade, família, profissão e deixou também uma mensagem para as leitoras.

Nome completo: IARA D’ARC DINIZ LIMA DE PAULA
Idade: 55 ANOS
Estado Civil: CASADA
Profissão: PSICÓLOGA

-Como foi sua infância e adolescência? Houve algum fato que te marcou?
Minha infância foi marcada por brincadeiras, travessuras próprias de uma criança inserida numa grande família, mas também marcada pelo medo em função de um pai muito severo. Minha adolescência fora restrita aos estudos, mas cheia de sonhos e expectativas, apesar das muitas lutas que envolviam a minha família. O fato mais marcante de toda a minha vida aconteceu aos 17 anos quando tive meu encontro pessoal com Jesus Cristo. Desde então, a vida tornou-se mais bonita, mais significativa e passei a experimentar uma transformação extraordinária, a começar pela libertação do medo.

-Conte-nos brevemente sobre seu testemunho de conversão.
Meu pai ganhou uma Bíblia e a desprezou. Fiquei interessada e curiosa para saber o que tinha naquele livro grande e já bastante usado. Então, a tomei para mim e comecei a ler sistematicamente. Inicialmente, não entendia nada, mas insisti na leitura. Certa manhã, na estação da primavera, eu lia o capítulo 17 do evangelho de João e, quando cheguei ao verso 20 em que Jesus ora pedindo ao Pai em favor de todos os que creriam em Seu nome através da Palavra, compreendi que Jesus orou por mim. Fui tomada de grande alegria que extravasou através das lágrimas por compreender que Deus não era um Deus distante e que Ele sabia o meu nome, que eu era e me amava. Assim, a minha experiência de novo nascimento aconteceu dentro do meu quarto com a porta trancada, onde apenas o Espírito Santo movia através da Palavra para levar-me à salvação.

-A maioria das mulheres são sonhadoras, anseiam pelo casamento, pelo grande amor... Com você também foi assim?
Sem dúvida. Fui criada num lar onde o casamento era valorizado, despertando assim o sonho de encontrar alguém e me casar para ser esposa, mãe, dona de casa e depois uma profissional.


-Seu casamento com o Pastor Ciro é um grande referencial. Fale um pouco da união de vocês.
Conheci Ciro e aos poucos ele foi me conquistando. Namoramos e noivamos convictos da bênção e do propósito de Deus para as nossas vidas. Temos hoje 31 anos de casados e, ao longo desses anos, enfrentamos muitas lutas e desafios, mas em todo o tempo experimentamos da graça, da bondade e da misericórdia do Senhor. Não somos perfeitos e nem melhores do que ninguém. Temos diferenças, já tivemos muitos conflitos. Entretanto, algo que sempre marcou a nossa relação foi a certeza do amor de um para com o outro, a capacidade para perdoar sempre e o compromisso com o Senhor e a Sua Palavra.


-Qual foi o maior desafio na educação de seus dois filhos?
Isabella e Alexandre são duas joias preciosíssimas. Presentes de Deus. Não experimentei grandes dificuldades como mãe. Mas penso que o maior desafio que uma mãe pode ter é o de fazer dos seus filhos discípulos de Jesus. Demanda tempo, coerência entre o que ensinamos e praticamos, muita oração e acompanhamento sistemático da vida dos filhos. Sou muito grata ao Senhor, pois tanto Isabella quanto Alexandre se renderam a Jesus ainda na tenra idade.

-Em que momento surge a Iara escritora?
Ser escritora era um sonho desde os meus nove para dez anos de idade quando respondi a uma professora que eu seria uma escritora quando crescesse. Como Deus toma o que falamos ou nos leva a falar já de acordo com o Seu propósito, no ano de 2000 lancei o primeiro livro, o Edificando Um Novo Lar, com a coautoria do meu esposo. Esse livro nasceu a partir da necessidade de ter um material como base para o Curso de Noivos da Igreja Batista da Lagoinha. O segundo livro, A Plenitude da Mulher Cristã, foi uma resposta a solicitações de várias mulheres depois de terem ouvido a mensagem através de uma pregação. Quando se escreve o primeiro e o segundo livro não tem mais volta. A gente quer sempre registrar as ideias, as experiências que Deus vai imprimindo em nós. Eu sei que é muito pouco o que escrevi até hoje. Eu tenho grandes sonhos nesta área e tenho a convicção que Deus é fiel para torná-los realidade. 


-Como psicóloga, qual a maior dificuldade percebe nas mulheres do século XXI? 
Lidar com a ansiedade e a depressão, desencadeadas por uma época tão opressora, em que a mulher tem que transitar entre o casamento, a maternidade, o lar e a realização profissional. O mercado de trabalho é extremamente opressor e a mulher criada por Deus como um ser mais sensível e mais afetivo, consciente ou inconscientemente, lida com a culpa por não se dedicar como gostaria às pessoas de seus relacionamentos afetivos, especialmente os filhos. Isto falando daquelas que são casadas. Mas a mulher solteira também não está isenta das pressões advindas da sociedade. Ela lida com cobranças em relação ao casamento, ela olha em volta e não encontra um homem que esteja buscando crescer espiritual e profissionalmente com quem possa se casar. Nesta época, as mulheres estão avançando mais que os homens do ponto de vista acadêmico e profissional, tornando assim um grande desafio para a realização do sonho do matrimônio. Isso gera frustração e angústia. 

-Recentemente uma pesquisa divulgou que as grandes empresas têm optado por contratar mulheres com vida familiar estável. Essas empresas perceberam que as mulheres workaholics (viciadas em trabalho) são, inexplicavelmente, menos rentáveis e pouco talentosas. Qual a sua opinião a respeito? 
Não tive acesso a essa pesquisa, mas penso que a mulher de vida familiar estável é também uma mulher emocionalmente estável. Portanto, poderá demonstrar mais equilíbrio no desempenho das suas funções profissionais, que sem dúvida resultará em produtividade maior. A mulher considerada uma workaholic não consegue relaxar e nem descansar em tempo apropriado. Sentir-se-á mais cansada, estressada e sem condições de produzir adequadamente como profissional. 


-Uma frase popular afirma: "O casamento é uma instituição falida.” Em contra partida, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) afirma que os casamentos caminham numa crescente. Em sua opinião, mesmo com tantos desafios, as pessoas continuam acreditando na família?
O casamento não é uma instituição falida, pois é um projeto do coração de Deus. Todo ser humano, ainda que alguns neguem, tem o sonho de estabelecer um relacionamento em amor edificando uma família. Somos seres sociais, afetivos e precisamos desesperadamente de alguém que nos aceite, nos ame e nos reconheça como um ser especial. Da mesma maneira, desejamos repartir amor e fazer o outro sentir-se especial. Por isso, o número de casamentos continua crescendo. De alguma maneira, isto denuncia que as pessoas continuam acreditando na família. Entretanto, há também uma preocupação com a falta de seriedade e compromisso que tem marcado os casamentos deste tempo. Há uma banalização da aliança conjugal. Na mesma medida que se casam, descasam. Trocam de marido e esposa como se troca de roupa, de acordo com a estação. Mas o casamento é uma construção e deve prevalecer durante todas as estações da vida. 

-Qual o papel da mulher no lar e na sociedade? 
A mulher exerce o papel de construtora do lar. A Bíblia diz que a mulher sábia edifica a sua casa. Ela é responsável pelo clima emocional do ambiente familiar. Se a mulher está bem, as relações familiares tornam-se mais saudáveis. Se ela está mal todo o lar fica sob tensão. Exerce a função de companheira, auxiliadora, incentivadora e cuidadora do marido e dos filhos. A Bíblia diz em Provérbios 6:20: Filho meu, guarda o mandamento de teu pai e não deixes a instrução de tua mãe e ainda em Provérbios 31:26 diz: Fala com sabedoria, e a instrução da bondade está na sua língua. Esses textos denunciam que a mulher deve ser uma educadora sábia dos filhos, auxiliando assim o marido na sua função de pai. 


-Você acha que é possível uma mulher ser realizada e feliz sem constituir uma família? 
Claro que sim. Disse numa resposta anterior que todo ser humano anseia por um relacionamento afetivo tendo alguém especial e fazendo alguém se sentir especial. Entretanto, a felicidade não se baseia nos relacionamentos afetivos ou no casamento, mas sim no relacionamento íntimo com Aquele em quem se encerra toda felicidade que é Jesus Cristo. Quando a mulher sente-se bem com Deus, ela poderá sentir-se bem consigo mesma, buscando na vida outras realizações que não sejam o casamento. 

-Submissão é uma palavra, muitas vezes, mal compreendida pelas mulheres cristãs.
Como você enxerga isso? 
Submissão é uma das palavras mais lindas apresentadas na Bíblia, pois ela fala do zelo de Deus para com a mulher. Estar na posição de submissa à autoridade do marido é estar protegida. O grande problema é que as pessoas não compreendem o real significado desta palavra, vinculando-a ao desvalor da mulher. Mas quando compreendemos que a submissão é a missão que a mulher tem abaixo da missão do homem, que é amá-la como Cristo amou a Igreja, tudo fica mais fácil. Submissão não é sinônimo de subserviência. Submissão, sabedoria e auxílio andam de mãos dadas, fazendo com que a mulher estabeleça um companheirismo inteligente para com o homem. 

-Deixe uma mensagem para nossas leitoras. 
Queridas, busquem sempre em Deus graça, sabedoria, força para desempenharem seus papéis como mulher. Esposa, mãe, dona de casa, profissional, pastora, conselheira ou qualquer outra função deve ser desempenhada com espírito de gratidão a Deus. Por mais simples que seja o nosso serviço, este deve ser oferecido a Deus como uma oferta de adoração. Receberemos d’Ele alegria e poder para viver, experimentando uma vida mais saudável e equilibrada. O que estou tentando dizer é que a murmuração deve ser afastada da vida da mulher. 


Bate bola - Responda com uma palavra:


Ser mulher é: Fantástico

E ser mãe: Privilégio
O melhor lugar do mundo: Minha casa
Dinheiro: Necessário
Uma viagem inesquecível: Europa
A Iara sai do sério quando: Enganada
Um som bom de ouvir: Pássaros
Um cheiro bom: Flores
Uma palavra feia: Mentira
Uma palavra linda: Amor
Atualmente está lendo: Estudos no Sermão do Monte – Martyn Lloyd Jones
A vida é: Maravilhosa
Família: Tesouro
Jesus: Tudo
Uma frase: O lugar mais rico, mais seguro e mais prazeroso para se estar é onde Deus deseja que estejamos, apesar das tempestades.


Por:

Elaine Souza, 29 anos, Consultora de Negócios, Solteira.
Twitter: @ElaineSouzaReal 
Frase: O choro pode durar uma noite, mais a alegria vem pela manhã. (Sl 30.5)

Um comentário:

  1. Elaine, que entrevista abençoada. Vai ajudar a muitos. Tive o privilégio de ser um dos primeiros alunos de escola dominical e escola bíblica de férias da Pra. Iara, ainda em sua tenra juventude. Me lembro bem do seu espírito vocacionado, do seu imenso amor pelas almas e de como a mesma me ajudou. Hoje, sou ministro do evangelho, mas eterno devedor das suas intercessões.

    Abraços e felicidades.

    Pr. Divino Pedrosa

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!