19 de julho de 2012

Esmaltes Hipoalergênicos

Olá meninas, tudo bem?



Algumas mulheres nascem e outras, com o tempo, desenvolvem alergia a esmaltes. 


“Geralmente, o que causa a reação alérgica é o formaldeído, presente na resina, esta tem como função dar aderência e durabilidade ao produto; o tolueno, uma espécie de solvente mais barato da fórmula tradicional dos esmaltes; o dibutil ftalato (DBP), que dá brilho e fluidez ao esmalte e ajuda a dissolver os outros ingredientes, e a mica, que é um pigmento utilizado nos esmaltes cintilantes e perolado.” (Fabi Zambrano).




Segundo a Dra. Adriana Schmidt (alergista), a reação mais comum é a “dermatite de contato”, uma reação inflamatória na pele que pode ocorrer nas cutículas, e também nas pálpebras por causa do contato do esmalte com a pele fina e sensível dessas regiões.


Os esmaltes hipoalergênicos sempre foram um grande dilema... não é? Lembram que antigamente só existia base, esmalte branquinho ou vermelho hipoalergênicos? Mas não se preocupem! Hoje existe uma maior variedade (tá, não tão grande assim) de esmaltes hipoalergênicos.



Em geral, os esmaltes estrangeiros são hipoalergênicos. Isso porque vários países não aceitam aqueles compostos químicos na formulação do esmalte. Aqui no Brasil, existem as linhas hipoalergênicas dos esmaltes já conhecidos (Risqué, Impala...). A Colorama já retirou das fórmulas alguns desses componentes, então, o risco de alergia é menor.


Além da variedade de cores um pouco limitada, outro problema é o preço desses esmaltes, que custam, em geral, bem mais do que os comuns. Bom mesmo seria se as marcas brasileiras eliminassem esses compostos das fórmulas, não é mesmo?

Gostou? Então, deixe seu comentário aqui abaixo do post!

Por: Camila Andrade (@ca__andrade) e Karina Gomes (@kagomes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!