29 de junho de 2012

“Bem-aventurados os que choram porque serão consolados”



Olá, garotas!
Tenho de compartilhar com vocês algo que me fez refletir muito nesse último mês. Tive a oportunidade de ir a um encontro em memória às vitimas do Holocausto. Dentre os organizadores e representantes do evento, estavam um senhor de 94 anos, polonês naturalizado brasileiro, sobrevivente do extermínio ocorrido na 2ª Guerra Mundial, e uma psicóloga e pesquisadora sobre o Holocausto.
Ela nos mostrou que na época houve investimento na educação infanto-juvenil, de um modo muito determinado, para que se fosse propagado a ideia de que judeus, negros, ciganos, (e demais grupos) não eram seres humanos e, portanto, não mereciam viver. Assim, toda a sociedade foi seduzida e assistiu (ou não) passivamente a tamanha crueldade com o próximo.
O fato é que mediante a história oral relatada por uma pessoa que foi vítima e testemunha ocular desse horror, fiquei pensando o “quanto de sofrimento” uma pessoa é capaz de suportar. Quantas pessoas já não passaram por eventos terrivelmente traumáticos por um espaço curto de tempo e/ou outras que sofrem pequenos traumas todos os dias decorrentes de abusos sofridos no passado que não foram curados.
Existem inúmeros tipos de sofrimentos. Aqui, me refiro ao sofrimento provocado pela violação, pelo abuso psicológico, físico e/ou moral. Atentamo-nos tanto para aquilo que nos dói que por vezes nos esquecemos de que existe cura, paz e uma promessa que nos diz “Bem-aventurados os que choram porque serão consolados” (Mt 5:4). Uma pergunta nos assola: por que isso aconteceu comigo? E ficamos tão envolvidos com a causa que impedimos a cura de chegar. Porém, não negando a complexidade e profundidade dessa pergunta e suas inúmeras possibilidades de respostas, escolhamos ficar com o conforto que Deus dá aos abatidos (1 Co 10:6).
Ele nos providenciou o Consolo, que estará conosco SEMPRE (Jo 14:16). Nunca foi nem será a vontade de Deus que passemos por aflições, sofrimentos e abusos. Mas sabermos, por intermédio Dele, que o mundo jaz no maligno e as adversidades (não importando seu tamanho e dimensão) poderão assolar a qualquer um. De maneira nenhuma digo que devemos sofrer sozinhos; mas devemos buscar o Consolo do Senhor e podemos procurar ajuda de uma pessoa capacitada por Deus para nos ajudar.
O Ministério de Salto Porém de Joelhos está aqui para te abençoar. Sendo você vítima de qualquer tipo de abuso, sendo ele antigo ou não, entre em contato com a Casa da Mocidade, que está pronta para te servir.
Deixo aqui para vocês o relato desse senhor sobrevivente, que consegue, apesar de tudo ainda, falar a respeito de tudo o que viveu com serenidade. Que seja inspiração para prosseguir...

Abraço


Milene Góes, Casda, Fisioterapeuta
Twitter: @milenegoess
Frase:"Não tenha resposta pra tudo, é desnecessário".


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário!